sábado, 27 de fevereiro de 2010

[Segunda Vermelha]


A segunda-feira que antecede o dia das mães, é chamada de Segunda Vermelha pelo Movimento de Mulheres que Celebram o Fluxo Feminino... neste dia vestimos vermelho, nos nutrimos de alimentos vermelhos, pintamos as unhas de vermelho, enfeitamos a casa com flores vermelhas e convidamos as amigas para juntas reverenciarmos nosso sangue, do qual brota vida. Mulheres em todo o mundo, independente de participarem ou não de Círculos Femininos, celebram esta data. Então meninas, se organizem para no dia 3 de maio de 2010 participarem conosco promovendo a SEGUNDA VERMELHA.
[@] Retirado do blog Guerreira Interior

..:: Como Surgiu ::..

Com nome original em inglês “Menstrual Monday”, ou a “Segunda Vermelha”, adaptado para o português, a campanha convoca a mulher contemporânea a participar ativamente de sua própria vida, redescobrindo e compartilhando com outras mulheres sua essência, empoderando-se e tornando-se uma forte agente transformadora de si mesma, de sua comunidade e do Planeta.

A primeira vez que se comemorou foi em 2000, idealizado por
Genebra Kachaman e Molly Strange. Elas arrumaram um jeito de incentivar as mulheres a ritualizarem suas menstruações e o fizeram com manifestações artísticas. Na época, a campanha teve adesão da França, Canadá, Escócia e Quênia. Kachaman e Strange diziam que a intenção da campanha era criar um senso de diversão em torno de menstruação; para encorajar as mulheres a assumir a responsabilidade da sua menstruação e de saúde reprodutiva, para criar uma maior visibilidade da menstruação nos meios de comunicação social; e para reforçar a honestidade da menstruação em nossos relacionamentos.

Na realidade a campanha foi um efeito contrário à grande quantidade de registros do chamado “choque tóxico” provocado pelos tampões internos naquela década de 90 e por tudo o que ele representa para a mulher: vulnerabilidade, vergonha, invasão, agressão e uma infinidade de doenças arrebatadoras e outras tão silenciosas quanto fatais, como o câncer de útero. Os tampões vão bem, obrigada, e pra quem trabalha com saúde da mulher, como eu, sabe que o número de casos de “choques tóxicos” com tampões e absorventes descartáveis continua de vento em polpa, no mundo todo. Menos na Índia, porque lá elas nem sabem o que é isso. Bom, sorte a delas.

O movimento “Segunda Vermelha” parte de uma releitura dos aspectos femininos que se contrapõe ao movimento feminista da década de 70, onde os processos cíclicos da mulher foram caracterizados como uma desvantagem para a disputa com o homem pelo mercado de trabalho. Ele é fruto de novas perspectivas em relação à mulher e a natureza, o que ficou denominado como ecofeminismo, que revela um novo corpo feminino que se molda e vem surgindo em movimento de valorização dos aspectos e protagonismo femininos revelando um enorme potencial das mulheres em mudar o curso da história. A campanha não pretende excluir o homem das novas atividades dessa nova mulher; ao contrário, é um chamado para valores como honra e respeito à diversidade, principalmente à multiplicidade dos aspectos da mulher.
O movimento tem como mote o dia das mães. Por que a menstruação vem antes e, muitas vezes, depois dela também. E na verdade é a grande liga, o grande fio condutor da vida, o sangue. Mas eu queria dizer mais uma coisa sobre esta data escolhida para representar a Segunda Vermelha: inicialmente Julia Ward Howe criou o “Dia das Mães para a Paz” nos Estados Unidos. É, pois é, o dia das mães era político/espiritual. É verdade também que a visão oportunista americana o transformou em uma data “capitalistamercadológica”, porém vejo em nossas mãos a chance de redefinir esta data novamente.
..::Aqui no Brasi e América Latina::..

O fato é que os anos que se seguiram, a campanha foi tomando forma. Silenciosa forma é verdade, com alguns registros em outros países. E sempre comemorada, mantida e coordenada por Deanna L’am nos Estados Unidos. E assim, por este sincronia do Universo e das Teias da Grande Mãe, conheci DeAnna L'am, pois partilharmos do mesmo estilo de trabalho. Ela Compartilhou a proposta. Achei linda e viável. Convidou-me pedindo que eu coordenasse a campanha na América do Sul. Eu recebi. Gestamos. E, juntas com Danielle Sales, agilizando as traduções, co-criamos a vontade da Deusa manifesta em terras sul-americanas.
E foi assim como eu to contando: falei com uma grande amiga circular argentina, Myrian Wingutov e sua “Rueda Púrpura”, para que se juntasse a nós. Ela amou a idéia e convocou suas hermanas. E lá, mais próximo dos Andes no Chile, “mi preciosa” Mahi e seu Circulo Matriztico. E aqui no centro do país, em Brasília, as lindas e queridas Melissas da Teia de Thea guiadas por Natalia Carvalho. E a teia foi crescendo, nossa forte anciã Doroti Siqueira nos pampas gelados do Brasil com sua enorme receptividade reverberou junto; e pertinho, em São Paulo, minhas “hermanas circulares” Patricia Fox, Babi Ferreira e Soraya Mariani... E aí, eu já não precisei mais convocar. Os círculos concêntricos foram atingindo outros círculos em São Paulo, no interior e na cidade, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia e João Pessoa. E outras mulheres foram divulgando em seus blogs, sites, grupos de internet... E na SEGUNDA VERMELHA 2008 LATINA todas “vermelharam” juntas em um só ventre e coração.

A campanha pode tomar proporções que desconhecemos, em princípio, mas em nossas células mater está a visão acima dos acontecimentos. Eu creio nisso.

"Eu não me curo sozinha, eu me curo junto a outras irmãs." Esta linda frase é de uma irmã muito querida do Chile, Canella, uma linda canalizadora de Danças Circulares, e este verso está em uma de suas músicas. Eu o escolhi para finalizar este relato da Segunda Vermelha 2008 porque, mesmo sabendo que ainda é preciso curar muito as relações entre as mulheres, principalmente entre as lideranças desse re-despertar feminino, onde é necessário cultivar trocas sadias de respeito à medicina de cada uma e à sua própria medicina, creio em uma linda e poderosa Teia Cósmica, e dou graças a esta poderosa e Velha Aranha que tece desde os recôncavos do meu Ventre e me mantém integra em meu propósito: tecer sempre!!!

A todas as mulheres que, ao tomarem conhecimento de seu Poder de Sangue, sentiram-se a mais poderosa Deusa dos mundos, minhas sinceras reverências.

Eu,
Sabrina Alves, falei, AHOW
Assessoria DeAnna L’ am

[@] Retirado do blog Segunda Vermelha
.....:::::([§§]):::::.....
Inspirada no movimento, e por algumas leituras e pesquisas feitas por conta própria sobre menstruação, Ritos de Passagem, Mistérios do Sangue e a celebração dos Ciclos como forma de comungar com a Deusa, estou preparando uma série de posts com os temas de:

-Mistérios de Sangue
-Henna, Mehendi e a ancestral arte feminina de arte no corpo
-Menstrala
-Abiosorventes
-Runas associadas aos ciclos femininos e meditações
-Cristais que harmonizam as energias do ventre
-Mitos e Contos relacionados ao sangue, a vitalidade sagrada
*Henna e a Insurreição no Hadramaute
*Sapatinhos Vermelhos
*O Retorno da Vida Feita à Mão

Na verdade isso é só um resumo do resumo de um projeto que nesse momento está me parecendo meio ambicioso...mas enfim =) estou empolgada com isso^^

BB!
)O(

[@] Links Extras

Um comentário:

([salix sam]) disse...

o q q uma lua cheia no meu signo não faz XD